Você está na categoria » News

Futuro sustentável e floresta em pé motiva intercâmbio entre Mato Grosso, Acre e Rondônia

Representantes da COOPADSC_0304VAM, AMCA e indígenas de 4 etnias de Mato Grosso, RECA (RO) e COOPERACRE ( AC), estarão reunidos entre os dias 2/08 a 03/09 nos municípios de  Nova Califórnia – RO, Rio Branco e Xapuri – AC, para um intercâmbio que possibilitará a troca de informações acerca das cadeias produtivas de alimentos sustentáveis nesses três estados, no âmbito de três projetos apoiados pelo Fundo Amazônia e que estas organizações desenvolvem.

Este encontro tem grande importância, pois, reúne essas quatro potências no quesito negócios sustentáveis e atividades econômicas que preservam a floresta e produzem alimentos saudáveis. Debater estes temas tem sido bastante apropriado neste momento, onde diversos estudos comprovam os problemas causados pela utilização excessiva de agrotóxicos na produção de alimentos no Brasil. Segundo estudo elaborado pelo IBGE em 2015 – entre 2002 e 2012 a comercialização de agrotóxicos aumentou 155% em dez anos no Brasil. O número apresentado neste estudo é considerado preocupante porque 64,1% dos venenos aplicados em 2012 foram considerados como perigosos e 27,7% muito perigosos. Para reverter este quadro, o Inca – Instituto Nacional do Câncer recomenda o fim da pulverização aérea dos venenos, o fim da isenção fiscal para a comercialização dos produtos e o incentivo à agricultura orgânica, que não usa agrotóxico para o cultivo de alimentos, como é o caso dos trabalhos desenvolvidos pelas quatro organizações que irão intercambiar tecnologias.

A ideia de promover um intercâmbio surgiu no mês de julho, durante a I Oficina de Intercâmbio de Experiências entre Projetos de Atividades Produtivas Sustentáveis do Fundo Amazônia. Segundo Paulo Nunes, coordenador do Projeto Sentinelas da Floresta (realizado pela Coopavam com apoio do Fundo Amazônia), participar da Oficina em julho, foi importante não apenas para divulgar seus resultados para um grupo seleto de 80 organizações, mas também de conhecer e trocar experiências com equipes de outros projetos apoiados pelo Fundo.

Nunes explica que foi em uma destas conversas que surgiu a oportunidade de levar um grupo representando indígenas e agricultores participantes do Sentinelas da Floresta para conhecer os trabalhos da Cooperacre e do Reca, ambos com projetos apoiados pelo Fundo Amazônia e que trabalham no desenvolvimento da cadeia de valor da castanha do Brasil, no Acre e em Rondônia, respectivamente.

O Projeto Sentinelas levará cerca de 40 pessoas ( 24 indígenas das 4 etnias participantes do PSF, 12 pessoas entre Amca e Coopavam e mais 4 técnicos PSF). A expectativa é que cada instituição apresente o que de melhor tem a oferecer em produtos e também em experiências para um futuro onde a alimentação seja produzida sem a contaminação do meio ambiente e sem prejuízos à saúde de quem os consome. O Sentinelas da Floresta, por exemplo, é considerado um case de sucesso no tema de Estruturação de Cadeias Produtivas: Experiências exitosas com logística e comercialização. A Cooperacre por sua vez, é uma central que congrega 36 Cooperativas e Associações espalhadas em 14 municípios do Estado do Acre e atende direta e indiretamente mais de 4.000 famílias extrativistas. Já o Projeto Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado Adensado, tem implantados mais de 3.200 ha de SAF (Sistemas Agroflorestais) onde há mais de 40 espécies frutíferas e florestais, como cupuaçu, pupunha, castanha do Brasil, açaí, bacaba, patoá, cedro e mogno.

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail